martes, 29 de marzo de 2011

Muita coisa pra contar e muito pouco tempo

Aproveitando o meu dia dodói pra atualizar o bloguitcho e as novidades do Samuca.

Eu já comentei sobre a relação do Samuel com o futebol aqui, e até então o gol era comemorado com um grito de "AHHHH" e braços pro alto. Eis que de repente, não mais que de repente, numa bela manhã de domingo enquanto eu caminhava em direção ao banheiro e o papai via futebol deitado na cama, ao escutar o grito de gol do narrador, o bebê sem exitar grita: " Coooooooolllllll". É assim com "C" mesmo. Claro que desisiti do banheiro naquele instante e fui correndo agarrar ele e enchê-lo de beijos! Agora ele vê uma bola, um jogo de futebol ou um grito de gol e logo grita " Cooooooollll!"

Já não bastasse eu me sentir a Cláudia Leitte como falei aqui, agora eu saí na revista também. Em que revista? Em todas. Como assim? É só o Samuel ver uma revista, um panfleto, foto e até programas de televisão e qualquer mulher vira mamãe. Ele sai apontado e falando: "Mamá". Outro dia deixei o pequeno aos cuidados do pai e dos outros meninos enquanto fui merecidamente ao cinema. Enquanto os meninos jogavam play o Samuel folheou todas a revistas. Quando cheguei me disseram que eu estava famosa e que o Samuel tinha me visto em todas as revistas. Tá vendo quem tem filho nem precisa ser famosa!

Segunda passada eu estava me trocando e arrumando ele pra ir pra casa da vovó. Ele brigando por alguma coisa que ele sempre briga e eu falei: " Filho  vamo se arrumar pra ir pra casa da vovó. Você não quer ir na casa da vovó? E ele vira pra mim com aquela cara de sapeca e diz: " Vovó" Assim certinho como se tivesse  falado aquela palavra durante toda a sua vida. Imagina a alegria da vovó. E agora é assim todas as manhãs ele nem bem acorda e diz " Vovó?".

E por falar em brigas. O Samuel ganha de mim na falta de paciência e em ficar bravo. Só que agora as reclamações vem acompanhadas de um sonoro: " Ahhhhhh Mamá!!!!" Posso com uma coisa dessa?

Está obcecado por sapatos. Que ele chama de "caca" (de tanto eu falar pra ele não mexer que é caca será?) Pega e coloca os sapatos de todo mundo. Sempre acho sapatos meus ou do pai espalhados pela casa. Em casa ele só quer ficar de sapato. E ainda por cima começou a reclamar e mostrar preferência por esse ou aquele sapato. Ultimamente é uma briga todo dia pq ele quer colocar o sapato do casamento do tio. Agora que beleza, vamos pra escola de sapato de festa!!! Filho onde está o seu senso fashion?? Ainda bem que ele ainda não faz o mesmo com as roupas. 

Imita tudo oq ele vê nos desenhos e programas que ele gosta. Pego ele dançando e fazendo os mesmos movimentos que ele vê. Repete as palavras ( do jeito dele) e ás vezes, naqueles episódios mais queridos ele a´t faz antes e eu morro de rir vendo que ele já até sabe o que vai acontecer.

Tá começando a fazer suas primeiras frases. Peraí sua louca, ele nem fala!!! Tá bom eu não sei se pode ser considerado assim, mas deixa eu ser feliz. O fato é que ele está juntando duas palavras samuelescas para fazer um significado. Sempre com a palabra "Booo" (acabou). Exemplo: " Booo mamá." quando acabou o programa que a mamãe estava vendo e "Booo atatá" acabou o Art Attack o programa de artes que passam no Disney Channel que adora. Eu incentivo que ele veja mas espero que a vovó o ajude nessa parte já que a artista da família é ela. O legal foi o comentário do papi ciumento puxando a sardinha pra mãe dele: " Que bom que ele sabe falar Art Attack, mas falar abuelita nada, né amor?"

Adora bananas e está fascinado com os platános. Fruta muito usada na cultura latina e caribenha. É uma banana grande parecida a banana da terra do Brasil. Não pode ver uma na fruteira da casa de quem quer q seja e logo pega e sai correndo e falando: " Nanana."

Sabe as partes do corpo e aponta pra todas desde cabeça até bumbum. Só que a única que ele fala é " Bo" que é a boca.

Aprendeu a falar cocô. E fala cocô quando vê uma fralda e quando eu falo pra ele vir limpar, mas só avisou uma única vez. Veio dizendo a esperada palavrinha e olhei e ele tinha feito mesmo. Todas as outras vezes que se seguiram ele respondeu com o já famoso " hum-hum".

Com certeza tô esquecendo muita coisa. Principalmente porque agora todo dia ele sai com uma coisa nova. A língua tá soltando e ele "fala" o dia inteiro. Quando vê as coisas na Tv ou na rua ou onde quer que seja. Parece que em breve já terei um bebê falante oficialmente. A minha vontade de vomitar me diz que é melhor parar por aqui. 

Em breve fotos do Samuel de uniforme na escolinha. Isso se eu tiver condições físicas de postá-las.

 

domingo, 27 de marzo de 2011

Joguei a toalha.....

É isso! Não consigo mais esperar o dia iluminado em que vou poder dormir como uma pessoa mais ou menos normal de novo! Aqui na minha exaustão só posso definir o que sinto como não ter mais esperanças.

A gente aprende que parte da maternidade é esperar a fase passar, e sim, muitas delas passaram. O refluxo praticamente sumiu, as cólicas quase que desapareceram (sim ele ainda tem),  a intolerância a lactose está super controlada e até leite ninho já dá pra tomar. Mas a tal insônia, essa  insiste em não dar trégua.

Ok, sejamos sinceros, houveram dias que ele dormiu melhor, houveram até meses mais tranquilos, mas se contabilizar acho que não consigo chegar há 10% a proporção de noites bem dormidas pra noites do cão. E eu cansei de esperar. Simples assim.

Esperar os 6 meses que com a melhora do refluxo ele iria dormir, não aconteceu, esperar ele engatinhar pq gastava energia, nope, esperar ele começar a encher o bucho pq com barriga cheia criança dorme, não a minha, esperar andar pra gastar muito mais energia, ainda não foi dessa vez, esperar comer comida mesmo pra ficar bem mais cheio, não fez diferença, esperar ir pra escolinha pq aí sim ia gastar energia e não ia dormir quase durante o dia e não tinha outra alternativa que  dormir de noite, também não,  não para o Samuel.

As únicas duas coisas que ainda não tentei foram: Primeiro: deixar ele chorar a noite inteira, pq me deixa ainda mais irritada e estressada e convenhamos mais insone, já que do jeito que ele é osso duro de roer vai ter que rolar a tortura por no mínimo 1 semana, e como eu sei? Pq nos meus momentos de maior desespero noturno já deixei ele chorando e o único que consegui foi escutar 2 horas de gritos e choros que se acalmavam e recomeçavam depois de alguns minutos.

E segundo: não dar de mamar quando ele acorda de madrugada. Agora, ele só dorme no peito, só de pensar em como raios vou fazer ele dormir, no meio da madrugada, com sono, revoltada por ter sido acordada ( 3 vezes)  e ainda sem peito. Sinto até calafrios. Juro que não sei como. Já to a fim faz tempo de desmamar pq o Samuel tá grudado demais e to cansada demais por tudo isso, mas não tenho esperança de que tirar o peito melhore nossas noites a longo prazo, pq a curto  prazo  será muito provavelmente um inferno total e absoluto.

A segunda coisa que vem com a maternidade induvidavelmente é a culpa. E por Deus que eu me pergunto todos os dias, ou melhor todas as noites,  o que estarei fazendo errado, onde eu errei e porque ele não dorme. Além de lógico, me perguntar que karma estarei pagando. Não sei mais o que pensar, só sei que não posso viver dormindo 3 horas diárias e passar o resto da madrugada tentando fazer ele dormir de novo. São praticamente 19 meses.

Tô tão cansada, e é a sensação de passar a noite em claro, é pq eu nem sinto sono de dormir em qualquer lugar, não é esse já o meu caso, mas sim a fadiga, a sensação de não ter descansado em semanas. E agora trabalhando isso tá acumulando e tá piorando.

Não existe fim de semana ou feriado. Não exite remédio ou solução. Não existe mais esperança. Só existe um corpo exausto, padecendo de enxaquecas quase diárias e que apesar de tudo consegue sorrir com um abraço ou um beijo ou qualquer outra palhaçada que o causador de todo esse cansaço resolva fazer.



viernes, 25 de marzo de 2011

Me sentindo a Cláudia Leitte

É isso aí, malhei e fiquei horas pulando numa micareta imaginária no meu quarto e fiquei com um corpaço igual ao dela!!! Aí eu caí da cama e acordei e me vi com todas as minhas banhas de sempre. Definitivamente o post não se trata da minha semelhança física inexistente com ela. Eu explico:

Quando eu ainda tava esperando o Samuel, lembro de ter lido uma declaração da celebridade mencionada acima  dizendo que ela era a gostosa da vida do seu filho. Que ele adorava o pai, curtia a babá, mas ela era a gostosa da vida dele. Aquilo ficou guardado dentro de mim, fiquei pensando sobre a sensação de se achar o centro do universo se sentir de tamanha importância na vida de alguém e lá no meu íntimo achei de uma superficialidade do tamanho de um trio elétrico. Porque sabe né gente, uma pessoa resolvida, sem complexos e sem carências como eu acha o cúmulo basear a sua auto-estima e se auto-afirmar de acordo ao amor que te dão, quantas pessoas te elogiam, quantos seguidores você tem no blog e quantos amigos você tem no facebook. Isso tudo é tão irrelevante para uma pessoa bem resolvida como eu que eu nem desejei que isso acontecesse comigo quando eu tivesse o meu filho.  Aí eu acordei de novo e me lembrei que sim, fiquei com vontade de um dia também poder dizer ser a gostosa da vida do meu Samuca.

Pois bem, a Cláudia Leitte pode morrer de inveja de mim, pq eu sou mais que a gostosa da vida do Samuel, eu sou TUDO na vida dele. Ele não tem babá, ele ignora o pai e as outras pessoas e se dependesse dele acho que passaríamos os dias grudadinhos um no outro tal qual ele ainda estivesse na minha barriga. A única pessoa que ele dá um desconto é a vovó, que obtém o lugar absoluto de segunda paixão da vida dele ( que o pai dele não saiba).

O pai chega em casa, tenta brincar com ele e é empurrado por aqueles bracinhos que não fazem mais que puxar a minha roupa. Nos últimos dias o pai não pode chegar perto de mim ou dele que leva tapa mesmo, e apesar da bronca que ele leva em seguida ele continua firme em não querer nada com mais ninguém.

Certo dia, numa reunião aqui em casa, ele decidiu que eu era dele e  de ninguém mais. Assim, ninguém podia nem falar comigo que ele educadamente dava um tchauzinho e mandava um beijo numa maneira muito sútil de dizer:  "Vá embora!". Como as pessos não se tocavam, ele resolveu ser mais explícito e dirigir as pessoas até a porta da casa e usando da mesma estratégia de tchau e beijo, fechava a porta na cara das pessoas. Como essa tática também não surtia efeito ele resolveu me puxar para o quarto dele e fechar a porta. 

Apesar de eu estar me sentido a mocinha da novela com dois homens um homem e meio  disputando a minha atenção e o meu amor, ao contrário do imaginado eu não estou curtindo mais isso não. Primeiro porque fico triste vendo que o pai dele está magoado ( sorry baby, não dá pra competir comigo), segundo porque eu não tenho vida. Ele não me deixa fazer nada, falar com ningúem não quer ir com ninguém pra eu descansar um minutinho. Já tô meio pensando em mandar fazer um clone da minha pessoa.

Aí, eu linda e inocentemente pensei: "Quando ele for pra escolinha ele vai desgrudar, né???" Tão bobinha eu! lógico que não. Porque se a Lei de Murphy já era uma constante na minha vida  antes, quando tem a ver com a maternidade aí o bicho pega mesmo. E o efeito foi inverso. Agora o bichinho tá mais grudado que carrapato! Acho que ele pensa:"Melhor eu ficar aqui grudado nela pra ela não poder escapar." E quando estamos em casa eu não consigo nem ir ao banheiro sem ter um trilha sonora de grito e choro encostada do outro lado da porta. O que é isso eu pergunto? Complexo de Édipo? Mamite aguda como dizem aqui? Isso passa? Vou ter que conseguir um clone? Vou ter que sumir uns dias? 

E assim eu descobri que me sentir a Cláudia Leitte nem foi tão satisfatório quanto eu imaginava. Não nesse quesito, talvez  no corpaço teria sido mais produtivo......

martes, 22 de marzo de 2011

Mae que trabalha

Gente nao sei como as mamaes que trabalham conseguem postar todos os dias!! Eu nao tenho conseguido chegar perto do computador. Vim aqui rapidinho pra dizer que to com saudade de ler os blogs que eu sigo, pra agradecer as visitas e os comentários e pedir desculpa por nao ter retribuido ainda. Ainda nem consegui ler todos os posts da blogagem do maes internacionais. 

Acho que preciso de um smartphone pra poder fazer isso enquanto to indo pro trabalho.  O Sammy já esta comendo, ainda bem, só que agora quando eu to em casa ele nao desgruda com medo de eu deixar ele na escolinha sei la, outro motivo pelo qual nao tenho conseguido ficar nem um pouquinho na internet.

Maaaaas sempre que der um jeitinho vou me atualizando. Até mais.

sábado, 19 de marzo de 2011

Blogagem coletiva Mães internacionais : O parto na Costa Rica

Nesses dias em que se discute tanto sobre o número de cesáreas ser muito superior ao de partos normais realizados e que os médicos (e as mulherem também) não esperam mais o ritmo natural das coisas, o meu relato vem a contar uma história diferente.

O meu parto foi aqui na Costa Rica num hospital público. O sistema público de saúde daqui para emergências é considerado bom. Lógico que tem espera, lógico que tem muita gente, mas ningúem te nega atendimento por ser estrangeiro, por não ter dinheiro e nunca ouvi falar de gente que não foi atendida porque não tinha vaga. Então como aqui não tem muito isso de plano de saúde, bora pro público mesmo.

O Samuel nasceu de cesárea, ( olha lá ta vendo outra cesárea) mas eu não considero que a cesárea dele tenha sido precipitada ou porque era mais rápido. A minha bolsa estourou na madrugada de domingo para segunda (sempre madrugada né) e dei entrada no hospital la pelas 2 da manhã. Eles me monitoraram, verificaram se eu tinha tido muita perda de líquido como eu ainda tinha bastante líquido decidiram esperar que a natureza seguisse o seu curso. Nada aconteceu. Já era quase hora do almoço quando eles começaram a me dar ocitocina para induzir o parto. Horas se passaram, doses foram aumentadas e nada de eu dilatar. Outro remédio foi aplicado e a dose da ocitocina aumentada ao máximo, eu comecei a sentir as tais dores, mas mais horas se passaram e eu nunca passei de 3 cm. Quase 20 hrs depois  da minha bolsa ter estourado o obstreta de plantão decidiu me mandar para cesárea porque já tinha passado muito tempo e o bebê poderia sofrer. E assim o Samuel nasceu na madugada de segunda para terça ás 00:05.

O que eu quero dizer é que a minha experiencia aquí na Costa Rica foi muito diferente a tudo o que se critica atualmente sobre PNxPC. Eu sinto que os médicos tentaram de tudo e esperaram o quanto puderam para que eu tivesse um parto normal, mas infelizmente o meu corpo não colaborou. 

Enquanto estava lá vi muitas mulheres durante o trabalho de parto. Todas tiveram parto normal. Uma das meninas que estava no meu quarto tinha dado entrada na sexta feira com dores e como ela morava há muitas horas de distancia eles preferiram mantê-la durante todo o processo que demorou días, quando eu voltei pro quarto depois da cesárea  é  que levaram ela para sala de expulsão porque ela finalmente chegou nos 10cm.
 No quarto coletivo que eu fiquei haviam 13 mulheres, dessas apenas eu e outra mais tinhamos tido cesárea, todas as outras tinham tido seus bebês por parto normal. O que é uma estatistica totalmente inversa ao que se vê hoje em dia.

Volto a ressaltar que apesar de (e talvez por causa disso)  ser um hospital público com poucas camas disponíveis e menos recursos, ainda assim a política de saúde parece estimular o parto normal, que por motivos óbvios é mais barato para o hospital, exige menos pessoal, menos medicamentos, menos tempo de recuperação e tantas outras vantagens sabidas, é preferível para eles esperar( ou induzir) o parto normal a fazer uma “desnecesárea”. A gente sabe que nos hospitais particulares, como em outros países o número de cesárea é mais alto. (Juro que tentei achar estatísticas e tudo bonitinho mas é muito difícil achar esse tipo de informação aqui, pelo menos no amigo Google não há.)

Todas as minhas amigas e conhecidas mais próximas também tiveram seus filhos em hospitais públicos aqui e passaram por experiencias parecidas. Como em outros lugares eles têm sim muitos problemas, sim poderia ser melhor, poderiamos ter direito a um acompanhante, os funcionários poderiam ser menos grossos e mal-educados e tantas outras coisas que sabemos que acontecem. No entanto, eles operam na contramão do que se observa mundialmente em países desenvolvidos ou em desenvolvimento,  optar e preferir o parto normal, na minha opinião é um grande ponto a favor do sistema de saúde da Costa Rica.

Se você ficou curioso(a) para saber mais sobre o parto em outros países e gostaria de ler sobre a experiência de outras mães visite o site Mães internacionais.

viernes, 18 de marzo de 2011

Hum-hum

Na verdade eu tava planejando falar sobre outra coisa hoje, mas devido a minha falta de tempo,  o estado depressivo em que me encontro devido ao final de Ti ti ti (todos choram) e principalmente porque já escutei isso hoje umas 48465 vezes o post de hoje será dedicado ao Hum-hum.

O Samuel já sabia fazer não com a cabeça e ás vezes ele usava o gesto, principalmente pra dizer que ele não queria que aquela colher cheia de comida chegasse perto da sua boca. Eis que um dia desses, distraidamente, ele com a intenção de fazer algo que não devia e eu prevendo a má intenção solto um Hum-hum, pra não ter que dizer "não" pela quinquagésima sétima vez naquela hora. Ele como é super fã de uma onomatopéia logo aprendeu e repetiu: Hum-hum. Pronto foi o suficiente!

Ele não só aprendeu como, muito inteligentemente, uniu o som com o gesto da cabecinha pra realmente estar certo de se fazer entender e agora meu povo não há pergunta cuja resposta não seja um sonoro Hum-hum acompanhado da negativa com a cabeça pra enfatizar.

Ok, devo esclarecer algo Hum-hum é a negativa para Aham. Calma gente eu não to zuando, é que talvez nem todo mundo sabe. Pelo menos na Colombia acho que eles não usam essa palavra (se é q se pode chamar assim). O namorido perguntava algo e eu dizia Hum-hum e ele me olhava com cara de Oi? até que um dia ele perguntou: Oq é hum-hum? E eu: Não ( duhhhhh)! O contrário de Aham. Num conhece não?. E ele: Ah tá! Não sabia que existia contrário de aham. E eu( pensando): Como pode ?? Bom e depois ele aprendeu. Então saibam que isso acontece.

Onde que eu estava  mesmo? Ah sim. O negócio aqui em casa está mais ou menos assim, vai vendo:

-Sammy quer comer?   - Hum-hum (com careta e cabecinha pra acompanhar).

- Sammy quer suco?     - Hum-hum ( empurrando o copo com a mão)

- O Sammy fez cocô?  - Hum-hum (mesmo que ele tenha feito)

- Sammy vamos tomar banho?   - Hum-hum 

E toda e qualquer outra indagação provavelmente será respondida da mesma forma. E a danadice é tanta que ele fala pra ele mesmo quando vai fazer algo que sabe que não pode. Mas ele   se ignora da mesma forma que me ignora quando eu falo que não e continua fazendo. Sim, eu sei que todas as crianças passam pela fase de falar não pra tudo e que isso não tem nada demais, mas é a primeira vez q o meu faz isso e pra mim é especial Rá!

Agora vamos combinar né gente desde que começou a ser um bebê engatinhante e que mexe em tudo ele escuta esse palavra umas 1286546523 vezes por dia, nada mais justo que ele queira se vingar e falar pra mim também né não? Vamos dar um desconto pra ele. Afinal ninguém fica mais gostoso falando não pra gente.
 

miércoles, 16 de marzo de 2011

Horário Definido

Durante a semana passada e essa semana ainda, o meu horário na escola tava indefinido pq estavámos esperando a possibilidade de novos alunos e tentando encaixar o horário deles, no meu e do Samuca.

Enfim conseguimos chegar a uma decisão que contente a todo mundo. O Samuel vai pra escolinha na parte da tarde agora, bom meia manhã até  de tarde, e eu já estou com a semana cheia. O único que não me deixa totalmente feliz é que ele vai ter que almoçar na escolinha e não boto muita fé que ele vai comer tanto quanto eu gostaria, mas esperemos que eu esteja errada ou que ele se acostume.

Ele ainda não tá bem, ainda tá comendo muito pouco e com um pouco de diarréia. Tem dormido melhor, acho que por conta de estar tão fraquinho, ele não tem tido pique nem pra bagunçar. Aliás o vírus que ele pegou tá pegando geral. Eu fiquei ruim, mas não foi forte, a vovó já tá ruim há 1 semana  e agora a (bisa) vó também pegou. 

Pra animar o dia. Deixo o Samuel posando de aluninho exemplar na mesinha que ele ganhou da abuela. Agora é o dia inteiro sentado lá. Lindão da mamãe!Pode concordar!



lunes, 14 de marzo de 2011

Escolinha = Bebe doente

Post rápido só pra nao ficar em branco. Saldo da ida a escolinha: Samuel com vomito e diarréia desde quinta. Sem comer desde quinta e todos os quilinhos q eu custei tanto pra fazer ele ganhar e q comemorei dias atrás já foram por água a baixo, ou melhor dizendo, fralda abaixo. 

Bebe de molho e mamae preocupada. E nada de nada voltar ao normal, nem o coco, nem ele, nem a rotina. Ai ai. Quer coisa pior pra fazer uma mae se sentir culpada por ir trabalhar???

miércoles, 9 de marzo de 2011

De volta à escolinha

O ano passado o Sammy teve uma rápida estréia na escolinha, frequentou menos de 1 mês e não tive mais necessidade de deixá-lo lá e assim ele voltou a ficar em casa comigo.

Essa semana comecei a trabalhar de novo. Ainda que com muitas dúvidas e com sentimentos diversos sobre ele estar ou não pequeno pra isso, achei q seria bom pra ele, pra ele se desgrudar um pouco de mim pq ele tá demais de apegado, pra socializar e pra ser mais independente. Fiz questão, no entanto, de que ele não ficasse mais do que um período na escola. E já que eu trabalho por aula tenho essa flexibilidade.

Enfim, ontem foi o seu primeiro dia de novo. Na sexta tínhamos ido lá pra eu acertar com a diretora a volta dele. Logo que chegou no portão ele começou a gritar: Mãmãããã, mãmããã! Logo reconhecendo o lugar e sabendo o que ia acontecer, mas naquele dia ele ainda não iria ficar. Ontem, ele tava super bravo, tinha ido dormir como sempre lá pela 1 da manhã e eu o acordei as 5:30. Ele tava muito brabo mesmo! Tentei fazer ele comer e lógico que ele não quis. 

Papai deixou a gente lá. E ele se enganchou  no meu pescoço pra que ninguém tirasse ele daí. Aos gritos e choro a "tia" puxou ele e tentou distraí-lo. Fui embora me segurando pra não chorar e me perguntando se eu estava fazendo a coisa certa. 

Quando cheguei pra pegar ele, ele veio correndo na minha direção e me abraçou. Foi o melhor momento do meu dia! Me dissera que ele chorou por bastante tempo depois que eu fui embora, parava e começava outra vez a chorar. Mas depois disso ele se distraiu com as outras crianças e pronto. Riu muito, brincou e enquanto eu conversava com a diretora ele correu pra continuar brincando. Me senti melhor. Acho que no fundo ele curtiu.

Depois de ter madrugado, ele dormiu mais cedo ontem e quando eu o acordei hoje as 5:30 o humor dele foi totalmente diferente. Tava rindo e falando. Deixou que eu o trocasse sem chorar e brigar e ainda consegui fazer com que ele tomasse café numa boa. Coloquei ele no carro com o pai e dei um beijo e ele nem reclamou. Me deu um beijo de volta. Acho que tá gostando da idéia.

Filho contente, mamãe aliviada. O meu pequeno já não é mais tão pequeno. E eu to adorando ver ele se desenvolver um pouco mais mesmo que longe de mim!

miércoles, 2 de marzo de 2011

Ligado no 220 V

Como uma imagem vale mais que mil palavras vou colocar logo duas pra valer mais que duas mil palavras. E também pra valer por ontem que eu não consegui colocar nenhuma foto no post mas depois consegui esses momentos.

Pra quem se pergunta oq o Samuel faz as 11 da noite que não dorme, aí vai uma pequena amostra:



video
video

PS: Não sei pq o primeiro saiu sem som mas eu não tinha mais tempo (leia-se Samuca acordado) pra carregar de novo o vídeo.