miércoles, 29 de junio de 2011

A diferença entre voar e cair........ sem nenhum estilo

Tenho certeza que todo mundo já ouviu alguma história ou conheceu alguém que se estabacou tentando imitar o super-homem. Tipo lenda urbana mesmo daquelas da loira do banheiro, se você era criança nos anos 80 ou 90 você sabe de algum sem-noção irmão, primo, primo do primo, amigo, vizinho ou primo do amigo do vizinho que se quase matou quando se jogou de algum sofá, varanda, janela ou sarjeta pra ver se voava igual ao tal homem de aço.

Ultimamente o Super-homem tá meio esquecido, coitado. Graças a outros personagens mais populares atualmente e filmes e séries bem ruinzinhas, o pobre ficou meio que de escanteio, e aposto que está curtindo sua aposentadoria em algum lugar do universo ao lado de um bofe delícia porque aquela sunguinha vermelha por cima da malha azul coladinha nunca me enganou né? E a Louis Lane era só fachada obviamente. O fato é que as novas gerações, leia-se nossos filhos já não andam brincando de super-homem.

Mas como na natureza e nas modas, nada se cria, tudo se transforma e se reinventa, não é porque o super-homem perdeu a vez que os sem-noção, leia-se crianças lindas, inteligentes, saudáveis e imaginativas vão deixar de se jogar de algum sofá, varanda, janela ou sarjeta para tentar desafiar as leis da gravidade.

Lembra do Buzz Lightyear, o fiel astronauta amigo do Woody? Aquele que descobre que não é um brinquedo que voa e que tem um bordão simpático bem parecido ao do quase vovô super-homem? Pois é ele aprende que ele não voa e sim, cai com estilo, mas já o Samuel....... Veja a cena com a qual me deparei:

video


Perceba como ele arruma as mãozinhas, faz caras e bocas e depois se prepara para "sair voando" gritando " TAtáaaaaaa" ( al infinito y más allá ou ao infinito e além ).

Não, ele AINDA não se jogou mas eu tenho certeza que ele está só esperando eu estar ocupada lendo algum blog cozinhando ou lavando roupa, aquelas coisas divertidas de casa, para tentar fazer igual ao boneco e se jogar de algum lugar. 

Porque vocês sabem,  heróis vão e vem, mas sempre vai ter um sem-noção, leia-se criança linda, inteligente, saudável e imaginativa que vai tentar voar. E aí os seus filhos vão conhecer algum  irmão, primo, primo do primo, amigo, vizinho ou primo do amigo do vizinho que quase se matou quando se jogou de algum sofá, varanda, janela ou sarjeta pra ver se voava igual ao Buzz Lightyear.

martes, 28 de junio de 2011

Agora sim: A morte do Spiderman (de vez)

Domingo começou bem feio, dia cinza e o meu humor exatamento como o dia. No dia anterior perdemos o "Arraiá" que tanto planejei ir por causa de uma febre do pequeno e em seguida papai saiu com os amigos. Estava com aquela sensação que só uma mãe vai me entender, de que os homens não abrem mão de quase nada e que nós abdicamos de tudo.

Precisávamos ir ao shopping, ele precisava ir ao banco e eu precisava comprar um material para minhas aulas. Desde 4a feira que estava pedindo pra ele me acompanhar, ou me levar. Mas como sempre ele decide sair na  hora que do almoço e quando o Samuel está quase dormindo. Argumentar e explicar porque temos que sair mais cedo é impossível, já me cansei de tentar fazer entender.

Fui, sabendo que não era a hora, que o menino não ia colaborar, fui porque precisava das coisas pra segunda feira. Ele e seu Spiderman. Já na primeira loja a show começou por causa de um livro de pintar do Toy Story. Mesmo tendo comprado o livro, porque ele já não tinha mais livrinhos de pintar mesmo, quem ia fazer ele entender que não dava para pintar enquanto a gente estava andando. Foi uma gritaria, um choro sem fim e um menino se jogando pelo chão. Completamente compreensível.

No banco consegui acalmá-lo e resolvi passar no mercado antes de ir embora para comprar 3 coisinhas que tinham acabado. O menino viu uma bola do Spiderman e começamos o segundo round. E foi aí que o triste fim do boneco começou.  No meio da confusão de tentar acalmá-lo, segurar sacolas e bolsas, e evitar que ele se jogasse do meu colo ao chão eu falhei em me certificar que o tal Spiderman, companheiro de todas as horas estivesse na mão  dele.

Quando chegamos em casa, com o Samuel finalmente dormindo, mesmo dormindo quando o tirei da cadeirinha ele falou: Man, man. E foi quando percebi que o amigo já não estava. Reviramos o carro, as sacolas e o pai até voltou ao shopping, claro que sem sucesso algum.

O brinquedo favorito do meu pequeno se perdeu. E eu me sinto horrível porque eu sei que se tivéssemos saido em outra hora, que ele estivesse mais disposto isso provavelmente não teria acontecido. 

O Samuel pergunta e procura o amigo, olha pela casa, debaixo dos móveis e  vira a palma da mão naquele sinal de "não sei". Agora anda pela casa agarrado na mão da tartaruga ninja "Titiui" a fiel companheira dele e do Spiderman nas suas brincadeiras. 

Parece que ele já superou, não esqueceu, mas não está chorando por isso, já eu, não posso dizer o mesmo. A culpa e a sensação de ter falhado com ele ainda estão muito presentes. Pode ser uma bobagem, mas sinto muito ter perdido o brinquedo favorito  do meu bebe.    

viernes, 24 de junio de 2011

Mais selinhos

Eba! Nós ganhamos mais selinhos essa sexta feira. Dessa vez foi da Sarah, a mãe do Bento, uma das pessoas mais legais dessa blogosfera materna e um blog que abro todos os dias para ver se tem novidades. Adoro os posts dela de verdade e sou apaixonada pelo Bento. Fiquei super feliz de ela ter lembrado de mim.

Tá bom, calma eu vou me controlar daqui pra frente. O primeiro selinho que ganhamos foi esse:



E que mãe não é né?? As regrinhas da corujice são as seguintes:


1) Falar do blog que te mandou o selinho.

Ops já fiz isso lá em cima, mas eu falo de novo. O mãe do Bento é um dos meus blogs favoritos, os posts da Sarah sobre as novidades do pequeno são demais e o Bento é um fofo. Se não conhece corre lá.


2) Postar em seu blog com o selinho e o link do blog.
Também já tá feito.


3) Escrever 5 coisas que o seu baby faz que você acha mais fofo.
      Só cinco? vamos lá...
    - Ficar agarradinho com o Spiderman pra cima e pra baixo
    - Quando ele quer ficar deitado em cima de mim pra dormir.
    - Gargalhadas em momentos de diversão.
    - Quando ele fala "Siiiiii" e joga os bracinhos pra cima quando eu adivinho o que ele tá pedindo.
    - Quando ele nos dá abraços e beijos espontaneamente.


4) Dizer porque você se acha uma mãe coruja.
Porque quero acompanhar e estar com ele a cada momento. Porque cuido de cada detalhe da vida dele, mesmo quando não estou como ele estou em cima de como estão cuidando dele incluindo papai e vovós. Porque ele tá sempre aqui debaixo da asa da mamãe. E como toda mãe, pra mim  ele é o mais inteligente, o mais lindo, o mais esperto o mais tudo que eu já vi!


5) Oferecer a 15 mamães e avisá-las. Nossa, será que dou conta de tudo isso.
      
Ana                       Livia                          Carol
Carol                    Beatriz                      Dani
Kariny                  Carol Passuelo        Mariana
Thiara                  Anne                         Ana Paula
Livia                      Mari                          Kah


E o outro selinho que também veio da Sarah, foi criado pela Micheli do Tagarelices e pensamentos e tem uma brincadeira muito legal. Tem que fazer 10 perguntas pro pequeno e colocar as respostas dele no blog. O máximo essa idéia. Pena que o meu pequeno não é lá um grande conversador então minhas respostas não foram muito produtivas rsrs.


  1. Mamãe é....... Mamá! (apontando com o dedinho pra mim)
  2. Minha mãe gosta de ........ fui ignorada.
  3. Que cheiro a mamãe tem....... fui ignorada de novo.
  4. Mamãe gosta de comer....... naná (banana) é mentira isso é ele quem gosta!
  5. Onde gostamos de passear....... vovó
  6. Ela trabalha........ silencioooo
  7. O que a mamãe mais gosta de fazer?.......ignorada uma vez mais.
  8. A mamãe fica brava quando eu........... nenhuma resposta
  9. O que mais gosto da mamãe............silencio de novo
  10. Um presente para a mamãe.................me ignorou again.
Enfim gente  a idéia é linda e eu fiquei na maior vontade de fazer essas perguntinhas de novo daqui 1 ano quando ele  fale um pouquinho mais. Porque o Samuel fala muito pouco e responde menos ainda. Uma peninha.

Agora temos que indicar pra mais 10 amigas. Que serão as mesmas 15 que foram indicadas lá pro outro, certo?! Bom fim de semana a todas!!

jueves, 23 de junio de 2011

Toy Story


Quando eu cuidava do meu primo 10 anos atrás ele amava um programa do Nick Jr. que se chama Blue's Clues ( as pistas de Blue). Ele tinha o vídeo e pedia para ver e rever 50 vezes seguidas se a gente deixasse. No começo eu curtia e via com ele, aprendi bastante inglês com a ajuda da cachorrinha Blue e seu amigo Steve. Depois de saber os episódios de memória já não achava mais tão divertido assim.

Eu amo o filme Toy Story, é um dos meus desenhos favoritos e todos os 3 são ótimos na minha opinião. Confesso que no caso desse filme eu incentivei mesmo a que o Samuel assistisse, simplesmente porque eu assistia. Cada vez que eu via que tava passando eu assistia e algumas vezes o Samuel me acompanhava. 

Foi quando ele ganhou um pijama dos personagens do filme que ele começou a associar aqueles bonequinhos na roupa dele com o que ele via na TV e começou a se interessar mais. Um tempo atrás ganhamos os DVDs do 1 e do 2. E ás vezes eu colocava pra eu pra ele ver enquanto eu fazia a janta. Geralmente depois que ele vem da escola e eu preciso deixar tudo arrumado para o dia seguinte.

Eis que ultimamente venho tendo um deja vu daquela época do Blue's Clues. O Samuel acorda e pede "Azizizi" (sua interpretação para Buzz Lightyear). Chega da escola e outra vez o mesmo pedido. Antes de dormir outra vez. Agora ele fala " Azizizizzz - atatá" Buzz Lightyear- al infinito y más allá (que em português é ao infinito e além, a fala do Buzz Lightyear).

Estando numa fase de birra como está, aliás que melhorou bastante mas isso é post para outro dia, a coisa ás vezes engrena numa briga feia, porque mesmo adorando o filme eu não vou deixar ele ver 5 vezes por dia e ficar todo esse tempo deitado em frente a TV. Mas já tendo vivido a fase com outro pequeno antes, eu sempre procuro outra coisa pra gente fazer e quase sempre funciona.

Ah!, mais um detalhe, o DVD fica no meu quarto, então ultimamente na TV do papai só tem Buzz Lightyear, e foi justamente isso o que gerou uma briga ontem. Papai vendo a final da Libertadores (mesmo não sendo nem Santista nem do Peñarol) e filhinho se esguelando que queria ver o DVD. Mamãe teve que entrar em ação, fui pro quarto dele com ele e munida de um papel e um giz coloquei ele pra desenhar. Funcionou por bastante tempo, mas ele não esquece.

Só sei dizer que num determinado momento, o sono e a frustração dele de não poder ver o filme eram tão grandes que ele chorava desesperadamente, dava gritos e soluçava ao mesmo tempo. Mas decidimos não ceder. E mesmo tentando acalmá-lo com voz tranquila, distraindo e mostrando livros o meu filho acabou dormindo soluçando e pedindo "Azizizzzzi- atatá". Ás vezes ser firme da uma culpaaaaaa. 

PS: Mas saber que o filho adora o mesmo filme que eu dá uma pontinha de satisfação pra compensar. hehehe

martes, 21 de junio de 2011

Dia dos Pais

Aqui na Costa Rica o dia dos pais foi domingo passado (19) e esse post foi adiado porque segunda o espaço era da blogagem coletiva. Aproveito o dia de hoje para registrar esse momento.

Acontece que esse foi o primeiro dia dos pais oficial da dupla, isso porque o primeiro o Samuca ainda estava na barriga e no ano passado, quando ele já estava com 9 meses, estávamos no Brasil e o papai ficou. Conclusão nada de nada pra ele, tadinho!!!

O presente foi simples, mesmo porque a grana tava meio curta e não deu pra mais, fiz um cartão e Samuel carimbou a sua mãozinha para o papai guardar e lembrar de como ele era pequenininho. E o outro presente foi proporcionado pela escola (como eu paguei mesmo, então já estava valendo, né?!). Juro que quando me falaram que seria uma camiseta pensei "camiseta com foto, poxa nem pra ser algo feito pelo pequeno" tudo bem que eu sei que ele ainda não pode fazer lá muita coisa mas queria que pelo menos tivesse a participação ativa dele. Não tava botando a menor fé.

Papai abriu o presente e eu paguei a língua. Era  uma camiseta sim, mas com um desenho feito pelo Samuel. A primeira obra de arte com pintura a dedos dele! Mandaram também a folha com o desenho. Tanto o pai como eu ficamos todo emocionados. Ele colocou a camiseta e orgulhoso,  no churrasco com os amigos que fomos de tarde,  fez questão de dizer a todo mundo que a estampa era "by Samuel".

Eu fiquei toda boba com a "obra prima" do meu pequeno. Eu sei que muita gente vai achar que não passa de rabiscos mas eu acho que é uma bela obra abstrata! Sei também que a participação dele é mínima e que é mais grana pra escola e tudo isso. Mas nada como um borrão feito por ele pra deixar um pai e uma mãe de primeira viagem com cara de boboca achando que é a coisa mais linda do mundo.

Quanto ao dia dos pais, eu só desejo que o Samuel possa aprender a curtir muito o pai dele. No momento ele não quer saber do pai e muitas vezes é bem grosso e mal-criado com ele, e vejo na cara do papai o quanto isso o deixa triste e magoado, me dói muito também. Tenho certeza que não haveria melhor presente pra ele que uma mudança no comportamento do Samuel. Fica a minha esperança de que isso melhore logo.

Termino esse post nas palavras do pai do Samuel (mesmo sem saber realmente de quem é a frase): "El mejor legado de un padre a sus hijos es un poco de su tiempo cada día ." 



   

lunes, 20 de junio de 2011

Blogagem Coletiva Mães Internacionais : Quem cuida dos nossos filhos na Costa Rica

A blogagem coletiva dos mães internacionais desse mês quer dar a conhecer os diferentes tipos de "ajuda"  que nós mães temos nos cuidados com os pequenos.

Aqui na Costa Rica por ser um país latino, as coisas não são muito diferentes ao Brasil nesse quesito. Aqui nós contamos com três opções na hora de escolher esse serviço: Escolinha, babá ou família.

As escolinhas aqui chamadas de "guardería" ou "kinders"recebem bebês a partir dos 3 ou 4 meses, idade que geralmente termina a licença maternidade. Nesse período, os bebês ficam na "sala cuna" o berçário e nessa fase eles só se encarregam de cuidar dos pequenos. A etapa seguinte é o materno que pode começar  com 1 ou 2 anos dependendo da escolinha e onde em muitas escolinhas eles já recebem o que aqui se chama estimulação temprana, como o próprio nome diz as crianças começam a receber atividades onde estimulam a coordenação motora grossa e fina.

Existem uma grande variedade de escolas e de serviços oferecidos por elas. Desde computação, atividades esportivas e até mesmo escolas bilíngues são bastante acessíveis para a população e estão disponíveis mesmo para os mais novinhos não significa que seja barato, não é, mas é mais acessível que no Brasil por exemplo. Os horários geralmente são de seis da manhã a seis da tarde e os pagam de acordo a quantidade de horas que o filho fica na escola.  Vale ressaltar que esse serviço é pago, existem muito poucas creches públicas que recebem crianças menores de três anos e a fila de espera é muito, muito longa.

As babás, ou as "muchachas" também são bem comuns por aqui, mas nada é regulado, geralmente são estrangeiras ilegais , quase sempre da Nicarágua, que fazem esse serviço. E na maioria des vezes elas cuidam da limpeza da casa e também da criança. Muitos pais optam por esse serviço porque chegam mais tarde do que  o horário das escolinhas e não podem ir buscar os filhos a tempo ou porque sentem que seus filhos ainda estão pequenos para ir para a escolinha, sentem que é uma atenção mais personalizada. O preço é muito parecido ao das escolas, principalmente se ela  tiver a função de empregada doméstica além de babá. A maior desvantagem desse serviço é a de nem sempre saber se a pessoa que estamos colocando dentro de casa é de confiança e o medo da violência que o filho pode vir  a sofrer.

 A opção mais popular e preferida pelos pais costa-riquenhos continua sendo deixar os filhos aos cuidados de um familiar, geralmente uma das avós. Na Costa Rica, a maioria das senhoras não trabalham e muitas delas fazem questão de ajudar com os cuidados dos netos. As famílias que dispõe dessa opção, a preferem tanto pela confiança como pelo baixo custo, já que não se costuma pagar nada às avós. 

No meu caso, eu optei pela escolinha porque as avós do Samuca trabalham e eu não me sinto bem em deixar o meu filho sozinho com uma pessoa estranha em casa. Ainda assim, sei que o fato de ele estar lá não quer dizer que nada possa acontecer e por isso estou sempre atenta a qualquer coisa e ás vezes até meio paranóica mesmo. 

Tenho amigas que encontraram pessoas ótimas para cuidar de seus filhos e que não as trocariam por nada.  O maior problemas das escolas é o horário, fecham as 6 ou no máximo seis e meia e muitos pais que saem do trabalho ás 5 ou ás 6 não conseguem chegar a tempo por causa do transito. Na maioria das vezes, as avós fazem a função de cuidadora até que a criança tenha idade pra entrar na escola (3 a 4 anos) quando o cuidado passa a ser dividido entre as avós e as escolas.
 
Ficou curioso para saber quem cuida dos nossos filhos em outros países?? Vai lá no Mães Internacionais para saber.

 

viernes, 17 de junio de 2011

Brinquedo de menino X Brinquedo de menina

Quando eu era pequena eu adorava brincar de casinha e de Barbie, o meu irmão amava video games e patins. Nunca me perguntei porque era assim, só era. Já adulta achava que somos condicionados. Os meninos brincam com carrinho porque dão carrinhos pra eles e as meninas brincam com panelinhas porque dão isso pra elas. Simples não? Claro que não.

Agora que tenho um menino e acompanho cada desenvolvimento dele, comecei a ver comportamentos que mudam a minha teoria de condicionamento. Comecei a me perguntar, quanto do interesse dos meninos por coisa de menino é somente devido à cultura, ambiente e sociedade e quanto é puro instinto mesmo.

Quando ele era bebezinho o que chamava a atenção eram cores vivas e brilhantes, barulhos e texturas. Pouco importava se era rosa ou azul. Já um pouquinho maior ele abraçava bichinhos de pelúcia sem a menor ceremônia e pouco antes do primeiro ano ele se encarinhou com uma moto que era a sua verdadeira paixão até que se perdeu. Ele brinca com "brinquedos de meninas" quando vai na casa de meninas e se diverte. Abraça as bonecas, deita elas pra dormir, mas o que ele curte mesmo é levá-las pra passear no carrinho de boneca, já ficou horas fazendo isso.

Mas oque me levou a escrever esse post foi o que aconteceu dias atrás. Num final de semana desses fomos na casa da minha melhor amiga e madrinha não oficial do Samuca. Ela, asim como eu tinha, tem um monte de bicinhos de pelúcia, brinquedinhos e bonecas no quarto. Uma boneca dessas  de corda que toca música era a favorita do Samuel. Sempre que íamos lá ele dava um jeito de pegar a boneca e pedia pra gente dar a corda. Enquanto ela tocava sua musiquinha ele ria, batia palmas e até dançava.

Nesse dia a minha amiga tinha feito uma mega arrumação no quarto e tinha encontrado 3 G.I. Joes  e um bonequinho de uma das tartarugas Ninja  importados diretamente dos anos 90 e que obviamente pertenciam aos irmãos dela e que ela usava como filhos das Barbies (que filhos mais feios). Quando o Samuel estava com a boneca, ela lembrou e mostrou pra ele os bonequinhos e mais que depressa ele jogou a boneca longe e agarrou os bonequinhos dando gritinhos de emoção. 

Lógico que num primeiro momento não vi nada de mais, ele faria isso com qualquer outro brinquedo que aparecesse. Mas na outras visitas que se seguiram ele só queria os bonequinhos.O amor era tanto que a tartaruga ninja está aqui em casa e tá fazendo companhia pro Spiderman.  A bonequinha meiga que nos deram momentos tão fofos, nunca mais teve vez. O papai achou o máximo. Mas eu, que tenho que analisar tudo, comecei a rever meus conceitos.

No fim da história acho que grande parte é influência sim do que a gente dá pra eles brincar, muito é o que eles veem a gente fazer, mas uma grande e super importante parte é o instinto que vem dentro de cada um de nós. E quem disse que a maternidade era só trocar fralda e cuidar de filho não pode nem imaginar tudo o que descobrimos sobre o mundo depois de ser mãe. E ficam as cenas para os próximos capítulos porque quem sabe eu ainda descubra mais e mude de opinião outra vez.

miércoles, 15 de junio de 2011

Arroz e feijão


Para qualquer brasileiro que se preze essa é a combinação perfeita. E se você querido compatriota, assim como eu pensava que éramos os campeõs na preferência desse prato, é porque não conhece a Costa Rica. Aqui se come arroz e feijão no café da manhã acompanhado de ovos e pão, no almoço ao estilo prato feito e se bobear come na janta outra vez.

O Samuel tem me saído um auntêntico tico-brasileiro. Bate cada pratada de arroz e feijão de causar inveja a muito pedreiro por aí. Ele sempre reclama de comer qualquer coisa antes de eu enfiar a primeira colherada na boca dele. Mas quando ele percebe que é a comida favorita ele abre o maior bocão. E se deixar come a minha comida e a dele. 

Nem sempre foi assim. A princípio o Samuel tinha muitos problemas cada vez que eu tentava dar feijão pra ele ou qualquer outra leguminosa (lentinha, ervilha, etc). Ele tinha cólicas horríveis e se já não dormia, quando comia isso era impossível, porque ele se sentia mal. Cheguei a pensar que meu filho nunca poderia comer esses alimentos.  Depois pouco a pouco a coisa foi melhorando. De vez em quando ele ainda fica meio ruinzinho, mas nada comparado.  Descobri também que o feijão preto é o que menos afeta.

Hoje em dia, como não podia deixar de ser,  aqui em casa tem feijão sempre! E eu acho muito bom porque sei que ele está comendo um prato completo e recomendado por qualquer nutricionista. E nessa época em que criança só quer comer nuggets e batata-frita, é uma felicidade pra mim que o que o meu pequeno mais goste de comer seja o nosso bom e velho arroz com feijão,

E já que toquei no assunto,  fiquei curiosa, qual é a comida favorita dos filhos de vocês?

lunes, 13 de junio de 2011

A (quase) morte do Spiderman

Isso parece título de tiragem especial da Marvel Comics ou talvez uma nova sequência do filme, mas não se trata  nem de uma coisa nem de outra e sim de mais uma desventura das nossas vidas.

Segunda é dia do Samuel passar o dia na casa da vovó enquanto mamãe desaparece trabalha. De manhã é uma correria pra arrumar todas as coisas dele pra um dia inteiro, as minhas e mais as "encomendas" da vovó. Como mamãe não dirige lá fomos nós, Samuel, Spiderman, Mamãe e a bolsa de 15 kg pegar o primeiro dos dois ônibus da jornada.
 
Seria ótimo se eu vivesse num país Europeu, quem sabe Inglaterra onde imagino que os ônibus saem na hora, mas que graça teria? a coisa aqui é pura adrenalina e exercício! Estou virando a esquina com todos os intens que mencionei acima encaramados em cima de mim e vejo o dito cujo, saio correndo, coisa que não faço quem sabe desde quando, e corro e corro, o menino, a bolsa e o spiderman chacoalhando, me lembra a cena do Will Smith tambèm correndo atrás do ônibus com o filho dele no filme "Em busca da felicidade" com a pequena diferença que ele tem um super preparo físico, enfim alcancei o ônibus (UFA! porque senão só meia hora depois), as pernas praticamente não aguentam subir mas conseguimos!

Segue uma caminhada atè o outro ponto, 15 minutos de espera e enfim estamos no  segundo ônibus. Samuel brinca com Spiderman, olha a paisagem, brinca com o senhor no banco de trás e lá pela metade do trajeto eu me distraio xeretando prestando atenção numa conversa de um senhor que dizia que tinha 95 anos mas eu dava no máximo 75. De repente o menino olha pra mim com uma cara "de fiz merda e nem foi na fralda" e diz Man?! e faz com a mãozinha aquele sinal de não sei.

Eu tentei não entrar em pânico e inocentemente procuro o boneco pelo chão, no outro assento e aí ele coloca a mãozinha na janela. E diz: Man! "E agora?!, pensei. O brinquedo favorito do meu filho foi arremessado pela janela do ônibus!" Pensa rápido, pensa rápido! Dou o sinal. Pego bolsa, menino e só,  porque o Spiderman já não está entre nós, e salto do ônibus que ainda estava meio em movimento. E lá vou eu, com tudo a tira-colo, debaixo do maior sol caminhar até o ponto anterior pra ver se encontro o tal do Spiderman.

Ao longe avisto uma coisa azul no meio da rua, um carro desvia o outro passa e por sorte não foi por cima, primeiro achei que não era, mas ao chegar perto agradeci aos céus do boneco ainda estar lá jogado. Esperei passar os carros e resgatei o boneco perdido. O Samuel só faltou bater palma e eu só não gritei com ele porque já não me restava folego para tanto. O Spiderman regressou são e salvo.

Moral da história: Nunca deixe o seu filho sentar na janelinha se essa estiver aberta. E nunca, nunca, nunca fique escutando a conversa dos outros em vez de ver o que o seu filho está fazendo. Não vê que isso pode até trazer a morte de um super herói!!!
 

viernes, 10 de junio de 2011

Algumas vezes

Filho, este texto é uma confissão. Quero que você saiba que nem tudo são flores, que tudo tem dois lados, mas que acima de qualquer coisa  mamãe sempre tenta fazer o melhor que pode.

Algumas vezes rio

Algumas vezes choro

Algumas vezes  sou a pior mãe do mundo 

Algumas vezes a mais perfeita

Algumas vezes simplesmente não sei o que estou fazendo

Algumas vezes acerto

Algumas vezes erro

Algumas vezes me desespero

Algumas vezes transbordo de felicidade

Algumas vezes decido

Algumas vezes hesito 

Algumas vezes quero desistir

Algumas vezes não posso esperar pelo dia seguinte

Algumas vezes me frustro

Algumas vezes me orgulho

Algumas vezes te ensino

Algumas vezes aprendo contigo

Algumas vezes te amo tanto

Algumas vezes te amo ainda mais.

 
* Texto criado na madrugada de hoje. Enquanto eu te admirava dormindo aconchegado nos meus braços.

jueves, 9 de junio de 2011

Apelidos

Apelidos estranhos são meio normais na minha família. Meu pai por exemplo, a um tempo atrás vinha chamando todo mundo de "cururu", porquê? não sei, homenagem ao sapo talvez? A minha mãe eu chamo de "piki" como surgiu, não me lembro. 

Entre os meus primos é carinhoso dizer "seu cabrito" ou "sua rata branca", piada interna na família, graças a uma tia que chamava todo mundo assim. E o meu cachorro então?! Que por sinal se chama Lucky, mas é chamado de tudo desde "Zé" até "Pisquintle" (?). Por aí se têm uma idéia do que o Samuel aguenta e são tantos que tive que separá-los em categorias:

Variações do nome: Os mais comuns. Samuca é o mais usado entre o pessoal do Brasil e os meus alunos de português, só que eles dizem "Samuco" (porque né Samuca termina com "a" e deve ser feminino). E Sammy aqui na Costa Rica. 

Só que esses também variam: "Samuquinha", " Muquinha", "Muca", "Muel", "Muelinho", assim como "Sam", "Sam-Sam", "Samuelito", "Samilino" e "Samu"  como diz a "tia" da escolinha. ( cada vez que escuto tenho vontade de chamar o SAMU mesmo!)

Nessa categoria também entra "Samuelinho do Santos da Silva" porque afinal se Ronaldo é Ronaldinho, Samuel é Samuelinho, e Santos da Silva, oras todos os brasileiros não tem esses sobrenomes??

Fofinhos: Esses são mais íntimos e quase sempre do papai e da mamãe. Tem "pequeno", "bebê", "delícia da mamãe", "piquitchico", "pitchico" e assim continuam bem meladinhos. "Burrito" é o favorito do papai mas calma, é por causa de uma músiquinha de criança que ele canta pra ele, não é xingamento não.

Bizarros: Aqui  tem "cabrito" que já falei que é de família, tem "pollito", "samuelusko"(pensando bem esse deve ser o nome dele em russo), "noctambulin" (precisa explicar?), "loquinho" ou "loquito", "coleto" (que é algo assim como maloqueiro em colombianes).

Esses são alguns,  eu sei que existem muitos mais. Só que agora eu não consigo lembrar mais. Tudo depende da inspiração do momento. E com tanto nome que o coitado escuta eu ainda me pergunto porque será que ele ainda não aprendeu a dizer o nome dele!?!

miércoles, 8 de junio de 2011

Das coisas que mudam depois de ser mãe

Não esse não é mais um post sobre como eu dormia antes de ser mãe e agora não durmo, também não vou falar sobre como eu tinha tempo pra não fazer nada e nem como eu vivia na balada e saia com os amigos e agora não faço mais nada. Não que isso não seja verdade, porque é e é  bastante certo, mas esse post não é sobre isso.

Eu sempre fui uma criança quieta, na minha, tímida mesmo. Eu praticamente nem falava com outras pessoas. Passei anos na psicóloga e melhorei um pouco.  Lembro que quando comecei a dar aula de inglês no Brasil meu tio perguntou: "Mas você nem fala, como vai dar aula?" Mas essa exposição me ajudou bastante.Nunca cheguei a ser super extrovertida e nem aquela pessoa que puxa papo com todo mundo, mas já não era quase muda. Mesmo assim ainda não era de conversar com qualquer pessoa. Sabe uma pessoa que segue à risca o "não fale com estranhos"? Era eu. Me limito a dar uma risadinha amarela e responder com um monossílabo pra não ser mal-educada, mas ao mesmo tempo que deixe claro que não tô a fim.

Pois bem,  eis que o Samuca surge na minha vida. E ele é o meu completo oposto. Quando ele era pequeno ainda, praticamente só uma extensão do meu corpo, ele distribuia sorrisos pra todo mundo. Sala de espera do posto de saúde? Ele ria pra todo mundo e aquele que o ignorava era fortemente encarado e bombardeado com sorrisos e gracinhas até que se rendesse aos encantos do baby. Eu também era bombardeada só que com perguntas e comentários: " quantos meses ele tem?", "que lindo", " que sorriso", "que olhos", " o meu netinho isso e aquilo" e etc.

Não dava mais pra dar um sorrisinho amarelo e ignorar, né?! Comecei a me ver debatendo a minha vida com completos estranhos. Em qualquer lugar que eu chegue com o Samuel, sempre vai ter alguém que vai falar comigo por causa dele ou que vai começar a brincar com ele e terminar falando comigo. 

E a coisa foi evoluindo de tal forma que agora eu, pasmem, sou a que puxa conversa. Não posso ver um bebê no ônibus que uma força estranha toma conta de mim e quando vejo já estou rindo e brincando com o bebê , perguntando pra  mãe quantos meses tem, se dorme ou se não dorme e dando palpites, lógico porque não resistimos apesar de odiarmos. 

De todas as coisas que eu sabia que mudariam com a chegada o meu filho,  e das que não sabia também, eu nunca podia esperar que minha timidez seria curada de vez.....